Um tapete de 5 milhões de dólares…

302

A luta contra a corrupção, um dos “cavalos de batalha” do programa do MPLA para o mandato de cinco anos a que concorreu e venceu em 2017, parece não atingir ninguém próximo do Presidente da República, em cujos terrenos também não faltam “marimbondos”. Não fosse assim, um dos principais assessores de João Lourenço poderia estar a responder pelo menos por tráfico de influência que tirou dos bolsos dos angolanos qualquer coisa como USD 5 Milhões ainda no tempo do outro senhor.   

A história conta-se em poucas linhas. Uma empresa detida pela esposa de um dos actuais mais próximos colaboradores de João Lourenço, entendendo que uma das principais dependências do edifício-sede do Banco Nacional de Angola (BNA) merece uma “cara melhor”, candidatou-se à decora-la. E, para isso, fez chegar ao BNA uma factura pró-forma com os devidos custos, obviamente super-inflacionados.  instituição para decorá-la. Factura entregue factura aceite prontamente  e quase imediatamente paga, não fosse o diabo tecê-las, visto que todos, inclusive o governador Walter Filipe da Silva, sabiam quem é(ra) o influente esposo.

Assim, para o felpudo e chamativo tapete vermelho-rubro, com o logótipo do BNA, que virou ícone do hall de entrada principal do vetusto edifício, mais algumas cortinas, Walter Filipe da Silva a ordenou o pagamento da “ninharia” de USD 5 milhões de dólares.

Um apertozito a Walter Filipe e a PGR chegará ao nome do influente assessor do PR perante quem o antigo governador do BNA quase sempre molhava as calças…

Para se ter noção da proporção do “assalto” sofrido pelo BNA, convém dizer que mais ou menos nesse valor ficou o terceiro tapete mais caro do Mundo. Trata-se de uma obra-prima indiana, que inclui mais de 1 milhão de pérolas de geração Basra naturais, ornamentada com diamantes, esmeraldas, safiras e rubis. Encomendado em 1860 e completado em 1865 por Maharaja do estado principesco de Baroda, Gaekwar Khande Rao, a preciosidade foi arrematada em 2009  por USD  5,5 milhões num leilão realizado no Qatar pela Sotheby’s, uma das mais importantes sociedades de vendas por leilão com sede em Londres. 

Mais um pormenor: o 10.º tapete mais caro do Mundo custou “só”  USD 116.500,00, sendo uma legítima “joia” persa fabricada no século XVI e vendida em 2008 pela conhecida casa de leilões Christine’s, outra secular casa de leilões. Como se pode depreender, em ambos os casos são tapetes com… história, ao contrário da milionária peça “imposta” pela empresária-esposa de alguém que tem as costas bem “aquecidas” por… João Lourenço.

Portanto, mesmo acrescentando todas as cortinas possíveis e imaginárias, mais uns poucos vasos e uns quantos quadros, está claro que os contribuintes angolanos foram “assaltados à mão armada”. 

É caso, pois, para perguntar: então “camarada” João Lourenço?