Dona IGAE, em quê ficamos?

327

Sob o título Governo angolano gasta 5 milhões de dólares para construção de website fantasma, no dia 5 de Março de 2015, o MakaAngola, secundado pelo Club-K, dizia que a Inspecção Geral da Administração do Estado envolveu o Estado em gastos milionários para a construção de uma plataforma digital inexistente.
Irada, no dia 13 daquele mesmo mês a IGAE exerceu o seu Direito de Resposta através do qual escreveu: 1. A Inspecção Geral da Administração do Estado dispõe, desde o ano de 2009, do seguinte website, que beneficiou de redinamização em 2011: www.ige.gv.ao; 2. O articulista computa, num mesmo montante, custos de gestão, manutenção e alojamento do website, com outros serviços de comunicação e solidificação da base de dados e de estatísticas da IGAE, o que resulta no seu empolamento; 3. Os custos anuais com a manutenção e gestão da página de Internet, terceirizados a empresa local especialista em gestão de conteúdos e assessoria de imprensa, estão orçados em média anual Usd.213.000,00, tendo sido renegociado, em baixa, no exercício de 2013-2014”.

Sebastião Ngunza, inspector-geral 


No documento, a IGAE não impunha aos dois portais de notícias o prazo para a publicação do seu Direito de Resposta como também determinava o seu formato (“Nota de Redacção e com o merecido destaque” para “esclarecer os seus leitores sobre a verdade dos factos”.
Se a IGAE se guia pelo mesmo Calendário Gregoriano pelo qual se pauta a maior parte da humanidade há de concordar que estamos em 2020 e que desde 2015 já se foram 5 anos. Porém, o celebrado site www.igae.gv.ao não tuge e nem muge.
Quem tentou acessar o site no dia 10.06. 2020 pelo motor Safari, encontrou a seguinte explicação: “O Safari não consegue abrtir a página www.igae.gv.ao porque não consegue encontrar o servidor”.
Se rosnasse menos contra os jornalistas que fazem o seu trabalho, de que a recente rabugice contra o Novo Jornal é prova, a IGAE teria certamente tempo para perceber que, nos dias de hoje, não ter um site funcional é falha imperdoável.