O bom senso triunfará

279

Não se considerando auto-suficiente, na linha daqueles que julgam que se bastam a si só, o Presidente João Lourenço seguramente está atento à reacção, muita adversa, da sociedade à construção de uma sede de raíz para o Conselho Nacional Eleitoral.
Como todos os angolanos de bom senso, também o Presidente da República acabará por concordar que neste momento outras frentes imploram pelos escassos recursos financeiros.
Como todos os cidadãos sensatos deste país, também o Presidente acabará por concluir que malária, covid-19, hemodiálises são frentes incomparavelmente mais urgentes.
A nenhum angolano sensato ocorrerá que o Presidente da República prioriza a construção de um edifício de raíz para a CNE em detrimento de milhares de angolanos cuja sobrevivência está amarrada totalmente à diálise bi ou trissemanal.
Como quase todos nós, também o PR concordará que o famigerado Manico vai ter que adiar, por muitos e bons anos, o edifício de luxo com que sonha para a CNE.
Enfim, como muitos de nós, também o Presidente concordará que entre pagar as dívidas às entidades que asseguram os serviços de hemodiálise em Benguela e Huambo e construir paredes para a CNE não há discussão possível.
Portanto, mais cedo do que tarde, o PR ordenará a suspensão dos procedimentos conducentes à construção de um edifício para a CNE.
Afinal, como qualquer angolano sensato, também o PR concordará que não é a falta de um edifício de luxo que tem inquinado as eleições em Angola. O problema da CNE está nos manicos desta vida.