Sonangol vendeu três activos imobiliários na Europa e prepara mais 32 privatizações

375

A petrolífera colocou 56 activos a concurso e 12 devem ser arrematados ainda este ano, segundo estimou o PCA da companhia

No âmbito da sua nova política de afastamento de negócios não nucleares para a companhia, a Sonangol já conseguiu vender activos imobiliários fora do país e nos próximos dias lançará novos concursos para privatização de outros empreendimentos que lhe pertencem.

A informação foi dada esta quarta-feira, 20, por Gaspar Martins, PCA da companhia, num “Matabicho com a Media”, cujo anfitrião foi o Ministério dos Recursos Minerais e Petróleos. “De acordo com a nova política da empresa, já privatizamos três activos imobiliários na Europa e projectamos lançar a concurso ainda este ano mais 32 activos para privatização”, adiantou sem detalhar o tipo de bens ou valores já arrecadados e nem os próximos empreendimentos a privatizar.

O “patrão” da maior empresa do país pontualizou que 12 dos 56 activos postos a concurso deverão ser arrematados ainda este ano, dando como exemplo os dois aviões do tipo Boeing 737-700 “passados” à companhia nacional de bandeira, TAAG.

“A Sonangol ficará apenas com a operação aérea de asa rotativa [helicópteros], deixando de operar a asa fixa. Por isso as aeronaves foram cedidas à TAAG e neste momento estamos a negociar com o ministério das Finanças a forma como cada avião será compensado”, esclareceu para depois acrescentar que “uma boa parte dos trabalhadores da Sonair adstritos a operação da asa fixa irão para a TAAG e quem não quiser ir ficará na Sonangol ou será licenciado à reforma, mediante negociações”.