Depender do acaso

405

“Quais são os argumentos que (os nossos inimigos) usam? Dizem, por exemplo, que há pobreza no país. Nunca ninguém disse que não há e esta situação não é recente. Quando eu nasci e mesmo quando os meus falecidos pais nasceram já havia muita pobreza na periferia das cidades, nos musseques, no campo, e nas áreas rurais.(…) Conhecemos a origem da pobreza em Angola. Não foi o MPLA nem o seu Governo que a criou. Esta é uma pesada herança do colonialismo e uma das causas que levou o MPLA a conduzir a nossa luta pela liberdade e para criar o ambiente político necessário para resolver esse grave problema”.

José Eduardo dos Santos (vulgo Clarividente), na abertura de uma reunião do Comité Central do MPLA, no dia 15 de Abril de 2011

***

“É um facto que existem assimetrias regionais no desenvolvimento sócio-económico do nosso país, mas essas assimetrias remontam ao período da colonização portuguesa, cujos primeiros colonos assentaram os seus acampamentos no litoral norte, progredindo para o sul, centro e leste, processo esse de ocupação e desenvolvimento que durou centenas de anos. Não é realista e justo pensar-se que, em apenas 45 anos, os sucessivos governos de Angola independente já́ deveriam ter feito a correção dessas assimetrias, o que os portugueses foram incapazes de corrigir durante mais de cinco séculos. Roma e Pavia não se fizeram num dia”.

Declaração do Bureau Político do MPLA (vulgo força dirigente da Nação), no dia 5 de Fevereiro de 2021

***

“Os presidentes não herdam problemas. Supõe-se que os conheçam de antemão, por isso se elegem, para corrigir tais problemas. Culpar aos predecessores é uma saída fácil e medíocre”.

Ângela Merkel, antiga chanceler alemã

*** 

“Temos um programa de luta contra a pobreza e, se continuarmos com esse ritmo de redução, esse problema deixará de existir dentro de alguns anos”.

José Eduardo dos Santos, no mesmo discurso

***

“O Bureau Político do MPLA exorta aos seus militantes, simpatizantes e amigos do Partido, aos angolanos de Cabinda ao Cunene, a defenderem a unidade e reconciliação nacional e a se manterem confiantes nas medidas que o Executivo angolano liderado pelo Camarada Presidente João Lourenço vem tomando em prol do desenvolvimento político, económico e social do país”.

Bureau Político do MPLA no mesmo comunicado

*** 

Moral da história: angolanos, o nosso destino é incerto; depende do acaso