A Covid-19 e o cão

369

Não foi casuística a escolha de Paris para palco de tão importante anúncio. 

Paris é, a par de Nova Iorque, Tokyo e Londres, das mais importantes vitrines do mundo e é por isso que as autoridades angolanas escolheram a também chamada Cidade Luz para anunciarem ao mundo a sua pretensão de se incorporar no restrito grupo de países que fabricam vacinas contra a Covid-19.

Feito entremuros, tal anúncio não teria nenhuma repercussão mundial – presumiram as nossas autoridades.

 Anúncio feito na capital gaulesa cobrir-nos-ia de orgulho se, antes da Covid-19, Angola não fosse desafiada diariamente por doenças que disputam e roubam mais vidas do que a nova pandemia.  

Os angolanos regozijar-se-iam se as autoridades angolanas anunciassem, em Paris, um programa integrado de combate à malária, diarreias agudas, cóleras, febre tifoide e outras doenças que reclamam diariamente centenas de vidas.

Claro que fazer um tal anúncio, e logo em Paris, não seria muito chique, porque daria de Angola a imagem de um país atrasado, que em pleno Séc. XXI ainda continua a braços com doenças que os outros já riscaram dos seus mapas há pelo menos dois séculos.

É curioso: na mesma capital gaulesa onde a ministra Vera Daves (com evidente dor de cotovelo da colega da Saúde) fez o solene anúncio, também foi tornada pública a informação segundo a qual uma das decisões  saídas do peditório dos líderes africanos a Emmanuel Marcon é fazer da África do Sul o primeiro fabricante continental da vacina contra a Covid.

Isto é, quando a ministra das Finanças de Angola anunciou a pretensão do país, já tinha conhecimento da escolha da África do Sul.

Com o seu anúncio, Angola mostrou despeito e, por outro lado, reafirmou a megalomania que é intrínseca aos seus líderes.

Não há racionalidade nenhuma nas pretensões de Angola.

Nesta altura de imensas dificuldades para todos, a África Austral não precisa de ter dois países a produzir  vacinas contra a Covid-19.

A sempre prometida, mas nunca concretizada, cooperação Sul/Sul deveria ser isso: sinergias de todos. 

Angola pode ter um papel relevante na fabricação de vacinas contra a Covid-19. Bastar-lhe-ia injectar dinheiro e tornar-se num acionista de referência na futura fábrica da África do Sul.

Mesmo porque, com as suas conhecidas e nunca resolvidas carências em áreas como fornecimento de água potável, energia eléctrica, saneamento básico, além, obviamente, da falta de quadros capacitados, quando – e se um dia lá chegar – Angola for capaz de fabricar uma vacina contra a Covid-19 ela provavelmente já terá sido erradicada. A comunidade médica mundial está hoje focada na busca da cura dessa pandemia. 

Apesar de ter mais de metade da sua população sem acesso à água potável, energia eléctrica, cuidados primários de saúde, educação e outros serviços, o Governo de Angola emite sinais de que pretende colocar o país na rota dos pioneiros do combate à pandemia da Covid-19. 

É areia a mais para o seu camião.

Por mais apetecíveis que lhe pareçam e por maior que seja a sua vontade, cão algum consegue levar, simultaneamente, dois ossos.

Angola não está em condições de assumir, sem o risco, inevitável, de fracassar estrondosamente, qualquer outro grande desafio.

No imediato, a geração que governa Angola deveria concentrar-se na busca de soluções para as doenças que mais cabo dão à sua população, nomeadamente a malária, cólera, diarreias, etc, etc.  

O Presidente João Lourenço & “ sua camarilha”(como lhe chamaria o falecido Pedalé) ainda vão a tempo de entrar na História de Angola por bons e nobres motivos. Erradicar a malária, por exemplo, fonte de muitos mais dores de cabeça para as famílias angolanas.