Aos seus lugares… para a corrida eleitoral

3924

Na presença dos mandatários das designações políticas concorrentes, a Comissão Nacional Eleitoral (CNE) procedeu na tarde desta quarta-feira, 13, ao sorteio para o posicionamento dos partidos e respectivos cabeças de lista no boletim de voto para a eleição (legislativa e presidencial) que acontece a 24 de Agosto próximo. Foi igualmente sorteada a ordem relativa aos tempos de antena para propaganda eleitoral na rádio e na televisão públicas. 

Em resultado do sorteio, os estreantes Partido Humanista de Angola (PHA) e P-Njango, por esta ordem, ficaram posicionados nos dois primeiros lugares do boletim de voto. Seguem-se UNITA, FNLA, CASA-CE, APN, PRS e MPLA.

Já no sorteio para o tempo de antena na rádio, a primazia coube ao PRS, seguido pela CASA-CE, MPLA, UNITA, PHA, P-Njango, APN e FNLA. Relativamente à propaganda na televisão, no topo ficou o PHA que é acompanhado na ordem de precedência pela CASA-CE, PRS, FNLA, UNITA, APN, P-Njango e MPLA.

Antes do início da cerimónia realizada na sede da CNE, esferas numeradas de 1 a 8 e que seriam introduzidas na tômbola cedida pelo Instituto de Supervisão de Jogos, do Ministério das Finanças, foram pesadas na presença dos mandatários dos partidos. Posteriormente, um a um, os representantes das oito formações políticas foram chamados por ordem alfabética [das designações partidárias] para retirarem de um recipiente opaco a esfera cujo número corresponde ao da respectiva representação.

Após escolha das esferas por parte dos mandatários, uma auxiliar da CNE colocou-as na tômbola, a partir da qual foram extraídas aleatoriamente para determinar a ordem do posicionamento de cada partido no boletim de voto. O processo foi igual para apurar a disposição da divulgação dos conteúdos eleitorais na rádio e televisão.

Após a contagem das posições nos três segmentos, os mandatários dos partidos assinaram as respectivas actas.

Do grupo de oito concorrentes, três (MPLA, UNITA e FNLA) participam desde o primeiro pleito em 1992. Concorrentes de primeira viagem são o Partido Humanista de Angola, de Bela Malaquias, e P-Njango, de Dinho Tchingunji. Ambos descendem da família política da UNITA. Para concorrer ao pleito que se aproxima, cada partido terá financiamento público no valor AKZ 1.112.050.000,00 [algo em torno de USD 2,5 milhões], segundo indica um decreto presidencial, exarado segunda-feira última, 11, o qual ajusta o valor definido a 24 de Junho passado, que era de AKZ 444.802.000,00 [cerca de um milhão de dólares]. O financiamento é atribuído nos termos da alínea d) do artigo 120 e do n.º 1 do artigo 125, ambos da Constituição da República de Angola.