Boçalidade
em Adis Abeba

4337

O Presidente da República deixou quinta-feira, 16, Luanda com destino a Adis Abeba, onde participa, hoje e amanhã, na 36ª sessão da Conferência de Chefes de Estado e de Governo da União Africana.

A cimeira decorre sob o lema “Acelerar a implementação da Zona de Comércio Livre Continental Africana”.

No aeroporto de Adis Abeba, a comitiva angolana “descobriu” que os carros protocolares que a organização da conferência colocou à disposição do Presidente angolano não eram compatíveis com o que julga ser o grande estatuto internacional de João Lourenço. Ali mesmo, foi emitida ordem para que a Casa Militar do Presidente da República providenciasse o envio imediato de uma frota Range Rovers.

Um cargueiro Ilyushin voo no mesmo dia para Adis Abeba com um número de carros que a fonte do Correio Angolense não soube precisar.

Em Angola, o Presidente João Lourenço desloca-se usualmente em jeeps Range Rover no seu mais robusto modelo, o Tubarão.

Fontes diplomáticas qualificaram o gesto da Presidência angolana como uma enorme descortesia para com os organizadores da 36ª sessão da Conferência de Chefes de Estado e de Governo da União Africana.

Não possuindo os recursos naturais que Angola tem, a Etiópia não pode permitir-se ao esforço de comprar luxuosos jeeps para uma cimeira de apenas dois dias.

Mesmo quando se desloca a países para pedir empréstimos ou incentivar investimento em Angola, o Presidente João Lourenço viaja, invariavelmente, num luxuoso  Boeing 787-8 Dreamliner, o topo de gama da construtora aeronáutica norte-americana.

Além da luxuosa aeronave, João Lourenço tem também por hábito fazer-se acompanhar por uma “escolta” de mais dois aviões, sendo um para os seus auxiliares directos, nomeadamente membros do seu gabinete e titulares de departamentos ministeriais, e outro para membros dos serviços de segurança e inteligência e jornalistas.

A repetida exposição de riqueza do Presidente de um país em que mais de metade da população não faz mais do que uma refeição diária é, também, interpretada como boçalidade.

Pelo mundo fora, apenas os principais líderes mundiais, nomeadamente os presidentes norte-americano, russo e chinês levam frotas de carros próprios aos países que visitam.

O envio de Range Rovers Tubarão a Adis Abeba sugere que o Presidente angolano toma-se a si próprio num patamar superior aos dos seus homólogos com que vai reunir na Etiópia.

Não podendo levar aos Estados Unidos, onde esteve em Dezembro, a sua predilecta frota de Range Rovers Tubarão, o Presidente João Lourenço virou-se para o aluguer de dois carros blindados ao custo diário de 30 mil dólares por unidade. 

Mas, o governo dos Estados Unidos frustrou-lhe o capricho. Washington comunicou a João Lourenço que a segurança dos seus convidados era sua responsabilidade, pelo que não faria qualquer sentido alugar carros a terceiros.