Este ano, o Prémio “Político do Ano”, promovido anualmente pelo semanário Novo Jornal, não sorriu ao governador da Huíla. Pelo segundo ano consecutivo, o título foi atribuído ao Presidente João Manuel Gonçalves.

O que deu azo a algum burburinho entre a vasta assistência que acorreu ao hotel Épica Sana onde decorreu, ao princípio da noite de terça-feira. É que essas premiações sucessivas podem, “involuntariamente”, sugerir alguma adulação, algo que o próprio laureado se diz firmemente decidido a combater.

O empresário-governador saiu de mãos a abanar, mas não tem motivos de queixa: o mesmo Presidente da República que lhe tomou a dianteira na disputa do Novo Jornal, compensou-o com um contrato que faria a felicidade a qualquer empresário. Sem qualquer concurso, a construtora Omatapalo, S.A., detida, entre outros, por Luís Nunes, ganhou uma empreitada pública que lhe vai render uns bons milhões de dólares.

Através do Despacho  n. 117/19, o Presidente da República aprovou a “despesa e abertura do procedimento de contratação simplificada para serviços de empreitada e a respectiva minuta de contrato para a requalificação e apetrechamento do Hospital Militar Principal de Luanda, no valor global em Kwanzas equivalente a USD 119.951.317.00”.

Dir-se-ia, então, que Luís Nunes não levou o “caneco”, mas ficou com os bolsos mais recheados.