David, o poderoso

0
440

Há exactamente uma semana, o jornalista, escritor e jurista Kajim Ban-Gala  estranhava, aqui, o facto de a moderadora do Debate da Semana da TV Zimbo, Leda Macuéria, não haver dado conta “da ausência do habitual comentador”, Laurindo Vieira. 

O escriba sublinhou  a “ausência do habitual comentador últimas resenhas acontece (depois daquele domingo, 28/03/2021), semana a seguir  a uma sua intervenção, mais incisiva e que, porventura,  mandou ao tapete o seu oponente”.  

O debate de domingo, 11,  moderado pela mesma Leda Macuéria, confirmou o que todos suspeitavam: sem qualquer cavaco aos telespectadores, a TV Zimbo afastou o comentador Laurindo Vieira. Mas, mais uma vez, a moderadora “não deu” pela ausência de Laurindo Vieira. Isto é, não achou necessária qualquer explicação aos telespectadores.

Com o afastamento de Laurindo Vieira, fica, também, comprovado, que David Mendes tornou-se num importante activo do “sistema” e quem o contrarie, ou o embarace, como aconteceu naquele fatídico dia 28 de Março, sujeita-se a penalizações, a primeira das quais é a defenestração do espaço mediático. 

O afastamento de Laurindo Vieira deixou cair a máscara: David Mendes, que era suposto ser da oposição  – ainda é, desavergonhadamente, deputado pela UNITA  – afinal era uma lança que o “sistema” tinha infiltrado na principal força da oposição. Tal como sucedeu com aqueloutro, que ainda a vociferar sozinho, reclamando para si a patente da invenção do jornalismo investigativo em Angola.

Em suma, com o afastamento consumado do LV, o debate da Zimbo tornou-se naquilo que o “sistema” queria: uma amena cavaqueira de dois amigos, que puxam a corda para o mesmo lado. No seu actual formato, não é possível encontrar qualquer ponto de fricção ou de divergência entre David Mendes e o substituto de Laurindo Vieira.

O deputado pela UNITA e o deputado pelo MPLA entendem-se às mil maravilhas.

Há um recado por detrás da mudança havida no Debate da Zimbo: não é preciso afrontar o “sistema”, desnudando-lhe as fraquezas, para ser punido; o “crime” consuma-se com a contestação ou desmonte dos argumentos das suas lanças no espaço público.

Não haja mais dúvidas: David Mendes é poderoso! Com o afastamento de Laurindo Vieira o “sistema” está a dizer que “quem mexeu com o David Mendes mexeu connosco!”. 

E tire o cavalinho da chuva quem pense que o “sistema” já está saciado com o controlo férreo que exerce sobre a comunicação social pública. Os ouvintes assíduos do programa Conversas EntreCruzadas, da rádio MFM, já terão dado conta da ausência de algumas vozes. 

E há claros sinais de que a procissão ainda vai no adro.

Artigo anteriorJoana Lina, uma “batata quente” nas mãos do Presidente da República
Próximo artigoFerreira Pinto, a renúncia anunciada