O Complexo da Cidadela Desportiva será cedido pelo governo à petrolífera estatal angolana Sonangol, de acordo com informação prestada ao Correio Angolense por fonte credível.

A fonte diz desconhecer os contornos da cedência – ou do negócio –, mas adianta que todos os ocupantes do complexo foram notificados pela petrolífera a fim de procurarem outros endereços. “Isto é verdade. Todas as entidades baseadas na ‘cidadela’, inclusive federações desportivas receberam essa documento que não aponta a data que as instalações devem ser vagadas”, disse a fonte.

Fazendo fé na nossa fonte, o assunto está a ser tratado quase como “segredo de estado”, sendo quase proibido tocar-lhe, mesmo em conversas informais entre trabalhadores das várias entidades que funcionam no espaço. “Quando o pessoal fala do caso, fá-lo em modo de conspiração para que sequer as paredes oiçam”, explicou.

“Em princípio, ao que se sabe, a Sonangol ficará com tudo, menos a Galeria dos Desportos. Ou seja, o estádio, os pavilhões (principal e os dois anexos), bem como a estrutura do clube de ténis será cedido á companhia petrolífera. Só não entendo porquê tanto secretismo e nem sabemos em que moldes acontecerá esta cedência”, questionou.

Salvo raras excepções, na Cidadela Desportiva funcionam pelo menos uma dezena de federações desportivas nacionais, destacando-se entre estas as de andebol e de basquetebol, as modalidades que mais títulos internacionais coleccionam para Angola. Também está no complexo a sede do Comité Olímpico Angolano. O Correio Angolense sabe que há sensivelmente década e meia, quando o negócio imobiliário estava em alta em Angola, a Sonangol havia proposto ao governo, por via do Ministério da Juventude e Desportos, a cedência da “Cidadela” em troca da construção do estádio de Luanda que albergaria o CAN’2010. Então, o propósito era construir no complexo desportivo um condomínio habitacional de alto padrão.