Três ex-governadores, que nada fizeram, e um governador, que nada faz e que, na verdade, segundo o próprio, nunca trabalhou. 
Espremidos, não enchem uma chávena.
A deslocação do trio ao Sumbe, a pedido do anfitrião,  para, supostamente, pedir-lhe conselhos sobre como dirigir a província, traduziu-se numa inútil iniciativa. Uma desnecessária despesa. 
Com um pouco de vergonha na cara, Serafim do Prado, Eusébio Teixeira e Higino Carneiro não deveriam regressar ao Sumbe para relembrar aos cidadãos os tempos de incompetência, incúria e roubalheira em que se traduziram os anos em que a cada deles foi, irresponsavelmente, confiada a condução da província do Kwanza Sul.